insensibilide de telas eletrônicasA falta de atenção gerada a partir do envolvimento excessivo das pessoas com os telefones celulares é cada vez mais comum. E isso só faz com que a sensação de incômodo cresça. É o que aponta um estudo feito pela VitalSmarts, uma empresa de treinamentos corporativos. A pesquisa procurou ouvir mais de duas mil pessoas e chegou a conclusão que 89% dos entrevistados afirmam que a utilização errada dos telefones, tablets e smartphones, atrapalha as relações e o convívio pessoal.

A inclusão da internet na vida moderna tem provocado em muitos usuários um série de transtornos ligados ao uso da tecnologia. O perfil das pessoas que não desgrudam do telefone celular e vivem checando as mídias sociais, e-mails e enviando mensagens SMS ganhou o nome de “Insensibilidade de Telas Eletrônicas” (EDI, na sigla em inglês). Esse mesmo estudo apontou para o fato de que 90% dos entrevistados se viram em uma situação bem comum atualmente: pelo menos uma vez por semana seus amigos ou familiares deixaram de prestar atenção neles para checar os dispositivos móveis.

Esse fato chega a incomodar muito, mas as pessoas preferem fazer vistas grossas. Cerca de uma em cada três pessoas disse não querer lidar com as incidências e acabou ignorando a situação. Entre as relações íntimas, o problema fica ainda pior: duas em cada três pessoas afirmaram não saberem o que fazer para reduzir os impactos desse uso inapropriado das tecnologias móveis. Resumindo: grande parte das pessoas condena esse comportamento, mas não se manifesta a respeito.

Especialistas aconselham a dialogar a respeito. A criação desse altos níveis de insensibilidade já requer um olhar cuidadoso no sentido de que esse comportamento possa vir a se tornar uma espécie de doença, porém o tema precisa ser abordado de maneira aberta. É importante descrever os impactos dessa falta de atenção no convívio, por exemplo.